Home / Educação  / ORIENTAÇÃO DA PSICOPEDAGOGA: Mamãe, você pode viver sem culpa – Por Ada Carvalho

ORIENTAÇÃO DA PSICOPEDAGOGA: Mamãe, você pode viver sem culpa – Por Ada Carvalho

Entenda melhor porque você não deve se sentir culpada por não ser a MÃE PERFEITA

A culpa é algo tão frequente em nossa cultura que ela quase nasce junto com os filhos quando uma mulher se torna mãe. Mas por que as mulheres se culpam tanto? Por que se cobram tanto a ponto de muitas acharem que não nasceram para serem mães?

A maternidade que experimentamos e construímos diariamente em nossa sociedade é aquela que se mostra em meio a um amor incondicional, um amor arrebatador e especial que precisa existir nessa relação mãe e filhoE para que esse amor sublime aconteça a mãe se vê em uma condição de “ter que” fazer muita coisa. E é nessa frase tão sutil “eu tenho que “ser/fazer” que se encontram as raízes da culpa materna.  Dependendo das situações vividas e da pessoa em questão, essa condição de culpa quase não se é percebida, mas em outras ocasiões ela aparece grandiosa como se o termo “mãe” tivesse que ser sinônimo da perfeição. Nesses casos a mãe sente que sempre está em dívida com seus filhos, que está sempre atrasada em relação ao que os filhos merecem dela.

Mas como podemos desconstruir esse conceito de perfeição materna tão impregnado na nossa cultura?

Simplesmente entendendo que a perfeição materna é uma tragédia para os filhos. Quando uma mãe se apresenta para os filhos como uma pessoa que não erra e que não pode errar, está passando a mesma mensagem para eles, ou seja, essa mãe está transmitindo aos filhos que eles também não podem errar. Além disso,  em muitos casos os filhos se veem como pessoas inferiores a essa mulher perfeita, e consequentemente  incapazes de corresponder a esse padrão elevado sentindo-se afetados inclusive em sua autoestima. Sim! Uma mãe perfeita faz com que seus filhos se enxerguem muito menores do que ela!

O fato é que os filhos crescem  com as falhas da mãe. Quando uma mãe permite a si mesmo errar, ela está permitindo os seus filhos serem mais humanos. Dessa maneira, a mãe ensina aos filhos que não é preciso ser perfeito para ser uma ótima pessoa.

Consequentemente, quando uma mãe reconhece um erro perante seus filhos, ela está ensinando eles a como reparar uma situação que ocorreu como pedir desculpas e como se reconciliar. Dessa forma, é permitido que os filhos conheçam as qualidades e os defeitos dessa mãe, humanizando essa figura perante eles e ao mesmo tempo permitindo que eles também entrem em contato com os próprios defeitos, criando repertório para que consigam superar seus próprios erros futuros.

Mas como superar a culpa?

Através do encontro genuíno entre uma mãe e um filho. A culpa deve ser “zerada” a cada momento que ela surgir. Em cada erro uma pausa uma analise do seu papel de mãe. Lembrando sempre que você é uma mãe real, aquela idealizada deve ser refreada por você mesma. Errou, viva! Mães reais erram. Reconheça o erro, peça desculpa, dê um abraço. “Zere” e comece tudo outra vez… Errar e acertar faz parte do processo de construção. Mães não nascem prontas, nem compram manual de maternidade, se constrói na relação com o filho.

Não deixe a culpa ocupar o lugar da oportunidade de recomeçar e fazer de novo tentando acertar.  Entenda que os filhos geralmente toleram os erros da mãe, mas não conseguem suportar a perfeição. Portanto, permita-se ser simplesmente mãe, sem cobranças, culpas ou medos. Sinta-se livre para errar, pois é através dessa autenticidade no relacionamento que o vínculo mãe e filho se fortalece e assume a forma de amor.

Psicopedagoga Ada Carvalho
Avenida: Biu de Deda, 531 – 1º Andar

(Conhecida como Rua dos Pacas)
Santa Cruz do Capibaribe-PE
Fone/WhatsApp – (81) 99681-5201

Não hà coment;arios

Comentário do Post